Matrística – Feminino e Masculino em Cooperação

Na nossa caminhada dentro do Sagrado Feminino o termo matriarcado é muito usado, memórias esquecidas de uma época em que a mulher era o centro, eram Deusas, honravam seus ciclos e plantavam na Terra seu Sangue Sagrado. Nossa jornada nos dias atuais é baseada em buscar novamente este status e essa consciência, mas afinal de contas o que significa matriarcado?

Matriarcado vem do grego “mater” que significa mãe, assim como patriarcado vem do grego “pater” que significa pai. As duas expressões tem em comum o termo grego “archein” que significa reinar ou governar, assim entendemos que no Patriarcado reina o masculino (pai) e no Matriarcado o feminino (mãe). Quando trabalhamos com estes termos, ainda alimentamos a ideia de que alguma das polaridades deve reter o poder, a ideia da hierarquia.

O autor Humberto Maturana criou o conceito “Matrística” que nos traz um novo olhar para essa relação masculino e feminino. Um olhar mais amplo e aprofundado que consiste em uma sociedade onde o masculino e o feminino vivem em cooperação, sem hierarquia e sem controle de autoridade. Acredito que este seja o futuro e talvez o destino final da nossa caminhada ao resgate do Feminino e Masculino Sagrados.

Maturana* diz:

O termo “matrístico” é usado […] com o propósito de conotar uma situação cultural na qual a mulher tem uma presença mística, que implica a coerência sistêmica acolhedora e liberadora do maternal fora do autoritário e do hierárquico. A palavra “matrístico”, portanto, é o contrário de “matriarcal”, que significa o mesmo que o termo “patriarcal”, numa cultura na qual as mulheres têm o papel dominante.

Em outras palavras […], a expressão “matrística” é aqui usada intencionalmente, para designar uma cultura na qual homens e mulheres podem participar de um modo de vida centrado em uma cooperação não-hierárquica. Tal ocorre precisamente porque a figura feminina representa a consciência não-hierárquica do mundo natural a que nós, seres humanos, pertencemos, numa relação de participação e confiança, e não de controle e autoridade, e na qual a vida cotidiana é vivida numa coerência não-hierárquica com todos os seres vivos […].

A palavra Matrística também tem origem em “mater”, mas aqui ampliamos suas possibilidades de significados e temos as palavras: materno e matriz. Para que a matrística ocupe o lugar do patriarcado é necessário o resgate do princípio feminino. O resgate da matriz geradora.

O caminho para este lugar está no resgate do Sagrado Feminino e da mulher como Ser místico,  como era nos tempos antigos. Nós deixamos nosso lado yin, acolhedor, “bruxistico”, misterioso, intuitivo e a devoção pelo ocultismo para dar espaço ao nosso principio masculino que se baseia na competição para enquadrarmos e encaixarmos na caixinha do patriarcado, buscando por igualdade. Mas nós não somos iguais, somos únicas e somos Mulheres! Carregamos dentro de nós um Masculino Sagrado e um Feminino Sagrado.

Matrística nos traz esperança para um mundo onde as duas polaridades podem vir a coexistir em harmonia e equilíbrio, a começar pelas nossas polaridades internas.

*Livro: Amar e brincar: Fundamentos esquecidos do humano.